MENINA DOS MEU OLHOS

Peça teatral de autora e atriz brasileira com síndrome de Down é premiada nos EUA

Menina dos Meus Olhos levou o prêmio de melhor espetáculo teatral, na edição de 2016 do International Brazilian Press Award, nos Estados Unidos. Sua autora e protagonista é a brasileira Tathi Piancastelli (31 anos), que ficou entre as 5 finalistas no prêmio de melhor atriz do mesmo evento. Os outros brasileiros premiados foram os atores Nicette Bruno e Marcio Garcia e o cantor Guilherme Arantes.

A peça Menina dos Meus Olhos traz a personagem Bella, uma jovem com síndrome de Down, que passa por situações de preconceito, discriminação e violência, até encontrar o verdadeiro amor.

A produção é da companhia americana de teatro Nettles Artists Collective e a direção de Debora Balardini. É o primeiro espetáculo profissional escrito e protagonizado por alguém com síndrome de Down.

Multimídia, a peça conta com mais dez atores e foi apresentada em New York, em 2013 e 2015. O elenco também foi convidado a participar do XXX Festival Internacional de Teatro Hispânico, realizado em Miami, em julho de 2015.

Em 2016, o Fundo das Nações Unidas para a Infância - UNICEF e a Organização das Nações Unidas - ONU convidaram Menina dos Meus Olhos (Apple of My Eye, em inglês) a se apresentar em New York, com o objetivo de ilustrar o painel de discussão sobre uma campanha internacional de combate à violência. A apresentação fez parte da agenda da 60o Session of the Commission on the Status of Women na ONU (CSW), na qual representantes do mundo todo discutiram a “Eliminação e Prevenção de Todas as Formas de Violência Contra Mulheres e Meninas", e da Conferência do Dia Internacional da Síndrome de Down (WDSD).

Nascida em São Paulo e atualmente morando nos EUA, Tathi é atriz, modelo fotográfico, autodefensora e apresentadora de TV. Já atuou em peças de teatro brasileiras e em comerciais institucionais da Rede Globo de Televisão. Tathi também é conhecida por ser inspiração do cartunista Maurício de Sousa na criação da personagem Tati, com síndrome de Down. Fotografou para a Inoar, companhia brasileira de cosméticos com sede no Brasil e presença em mais de 20 países.

 
Voltar

Ao refletir sobre o atual reconhecimento, Tathi Piancastelli comenta:"Eu tenho sonhos e corro atrás deles”.

A peça acaba de receber aprovaçao na Lei Rouanet para apresentaçao de turnê no Brasil e foi convidada para turnê na Europa, ainda este ano.

 
Voltar

Apresentação: 03 dezembro 2015 - UNICEF - NEW YORK

Menina dos Meus Olhos', escrita e protagonizada por Tathiana Piancastelli, que tem síndrome de Down, já fez sucesso em Nova York

Com 3 anos, Tathiana Piancastelli entrou numa escola de circo em São Paulo, onde nasceu. Lá, deixou sua primeira manifestação de desenvoltura na arte corporal e paixão pelo palco. Depois disso, atuou em uma série de peças amadoras em Campinas e em outras partes do mundo até dois anos atrás, quando estreou numa peça profissional. Menina dos Meus Olhos fez sucesso em Nova York em 2013 e agora chega ao sul da Flórida para apresentação dias 17-19 de julho, como parte do 30o Festival Internacional de Teatro Hispano de Miami.

Pela primeira vez, o festival, que vai de 9 a 26 de julho, vai homenagear o Brasil pela sua contribuição à cultura ibero-americana. Também pela primeira vez, uma peça profissional é escrita e protagonizada por uma escritora e atriz com síndrome de Down.

Tathi, como é conhecida, fará sua primeira apresentação em Miami, onde mora com a família há quatro meses, e de onde está saindo para uma turnê mundial da peça. "Juntei meu sonho com minha inspiração", diz Tathiana, com convicção, às vésperas de completar 31 anos, em 14 de julho. "Aqui é o meu lugar."

E "aqui" não é só Miami, mas principalmente a realização de seu sonho desde jovem: ser atriz. O que ela não imaginava é que a peça teria uma repercussão tão positiva, quebrando novas barreiras na sua vida e na de outros que sofrem discriminação por serem "diferentes".

“Uma coisa que quero muito é diminuir o preconceito”, diz Tathi, que é uma das “embaixadoras” da campanha “Ser Diferente É Normal”, uma iniciativa da ONG Instituto MetaSocial, co-fundada há 23 anos pelos seus pais, Patricia e Fernando Heiderich. "Estou cumprindo minha parte."

De acordo com os dados mais recentes, 300 mil pessoas vivem com síndrome de Down no Brasil e 400 mil, nos Estados Unidos. A peça, uma produção da companhia de teatro de Nova York Nettles Artists Collective, conta a história de Bella, uma adolescente tratada como escrava pelo marido escolhido pelos pais, e que vive preconceitos por causa da síndrome de Down, buscando amor e aceitação.

Uma das fundadoras da Nettles Artists, a curitibana Débora Balardini, atriz e diretora atuante em diversos países, dirige o espetáculo. "Quando a Tathiana veio trabalhar comigo, a primeira coisa que falei é que não ia mudar meu jeito de trabalhar porque ela tinha síndrome de Down - não existe nenhum motivo para eu me adaptar", diz ela. "O que gostei do texto da Tathiana e dela é que ela é uma pessoa que não tem filtros, não faz julgamento. O trabalho que eu faço é sem filtro, sem julgamento - ela se encaixou na mentalidade da companhia."

 

Voltar